Compartilhe:

Treinamento em sala de aula não está morto, mas também não é a resposta para toda necessidade de treinamento. Ferramentas sociais estão mudando o jogo quando se trata da aprendizagem dos colaboradores. As organizações podem criar ambientes de trabalho colaborativo, onde os funcionários podem aprender uns com os outros em vez de apenas aprender em um ambiente formal ou de um “especialista da empresa”.

Tony Bingham, presidente e CEO da American Society for Training and Development (ASTD), define Social Learning como “a aprendizagem que acontece fora de uma estrutura formal ou sala de aula e é realmente a maneira como as pessoas sempre aprenderam com o outro. Centros sociais de aprendizagem, compartilhamento de informações, colaboração e co-criação. ”

Social Learning

A maioria de nós tem uma visão a respeito do treinamento formal em sala de aula, veja a diferença básica entre a aprendizagem informal e aprendizagem social:

  • A aprendizagem informal é um termo usado para descrever qualquer coisa que não tenha aprendido em um programa formal ou classe. Pode ter lugar dentro de grupos ou sozinho utilizando atividades como leitura ou pesquisa.
  • A aprendizagem social é aprender com e dos outros. Acontece em conferências, cafés ou online – com ou sem ferramentas de mídia social.

No livro Social Media at Work os autores compartilham estudos de caso de empresas que utilizam a aprendizagem social e informal para o sucesso empresarial. Por exemplo, o Oracle utiliza uma ferramenta chave chamada Connect para dar aos funcionários a informação de que necessitam no momento em que precisar. A ferramenta é muito mais do que responder a perguntas – é ensinar as pessoas a tomar decisões inteligentes sobre o negócio.Uma coisa é certa sobre a aprendizagem social: Não é um substituto para o treinamento presencial. “Haverá sempre alguns tipos de treinamento que deve ser feito em uma sala de aula por causa das exigências do treinamento ou o domínio de habilidades que exige”, explica Bingham. “Os exemplos incluem a certificação, conformidade e aprendizado profundo – isso está acontecendo na sala de aula.”

Benefícios do Social Learning

Pesquisas com CEOs continuam a relatar que recrutar e desenvolver talentos são as suas principais preocupações. As organizações têm a ganhar uma compreensão de como uma nova geração de trabalhadores gosta de aprender, como usar a tecnologia e seu meio de comunicação preferido. Isso será essencial na criação de programa de formação, programas de desenvolvimento e planos de carreira. Bingham diz que é possível calcular o retorno sobre o aprendizado social, mas não é a fórmula tradicional do retorno sobre o investimento (ROI): “É preciso alinhamento com o que é importante para a organização e, muitas vezes, que inclui retenção de conhecimento institucional, resolução de problemas complexos de forma colaborativa e atrair pessoas para sua organização. ”

Barreiras ao Social Learning

Os líderes empresariais precisam entender que os funcionários já estão usando ferramentas sociais – seja aprovado ou não. Em vez de proibir o uso das mídias sociais, os líderes empresariais esclarecidos devem aproveitar o seu poder para dirigir os resultados de negócios. Bingham completa, “É importante fazer a distinção entre um problema de gestão e um problema de tecnologia. Na maioria das vezes, os problemas que ocorrem com o uso das mídias sociais são problemas de gestão. ”

Bingham acrescenta que ele vê uma preocupação de que o uso de ferramentas de mídia social pode comprometer informaion proprietário, ou que as questõesrelacionadas à propriedade intelectual, segredos empresariais ou estratégia de negócios podem ser divulgadas por uma força de trabalho dada ferramentas de mídia social. A sua recomendação?

“As organizações devem ter uma política de propriedade intelectual em vigor que define claramente as expectativas – e as consequências para a atividade inadequada. Esta política deve considerar a multiplicidade de possibilidades para o uso da propriedade intelectual de uma organização. ”

Uma vez que as orientações estão no lugar, comunicar claramente por toda a organização. O objetivo não é criar obstáculos para a aprendizagem, mas destacar meios efetivos para o uso de ferramentas sociais.

Implementação do Social Learning dentro de sua organização

Antes da introdução de uma estratégia de aprendizagem social, devemos dar uma boa olhada na cultura da empresa. Determinar se a empresa está pronta para incorporar a aprendizagem social em sua estratégia de formação e desenvolvimento. Incluir o Social apenas porque soa legal não é produtivo para o mercado de trabalho.

Toda vez que uma empresa está testando o novo território, é benéfico começar pequeno. Encontre um programa ou uma iniciativa que seria bem servida através do emprego de tecnologias sociais e deixe as pessoas envolvidas com ele experimentar e descobrir o que funciona. “A aprendizagem social tem uma natureza orgânica e não pode ser forçada.”, diz Bingham.

Depois de utilizar uma nova tecnologia, avalie o sucesso do programa. Obter feedback em três níveis:

  • Dos participantes que usaram a ferramenta social. Como isso ajuda ou atrapalha a experiência de aprendizagem?
  • Dos administradores da ferramenta social. Foi fácil ou difícil de usar, explicar aos outros e conseguir o envolvimento dos participantes?
  • Da equipa de gestão. Qual foi sua percepção dos resultados obtidos com uso de uma ferramenta social, dentro de suas equipes?

Esse feedback vai ajudar a refinar os melhores métodos de aprendizagem social para incorporar em futuras atividades.Plataformas de mídia social continuarão a se desenvolver e evoluir. Mais e mais pessoas vão começar a usá-las para as suas marcas pessoais e vidas profissionais. Os funcionários exigem simplicidade e esperam que a formação local de trabalho incorpore as ferramentas que eles usam em uma base regular.

Deixe os seus pensamentos nos comentários. O que você acha das possibilidades do Social Learning? Já teve alguma experiência nesse sentido?

Via Mashable

Write A Comment