Compartilhe:

Muitas pessoas levantam hipóteses e teorias sobre a queda do Facebook e o surgimento de uma outra rede social dominante. Isso tudo porque, aqui no Brasil, o MySpace foi engolido pelo Orkut e anos depois o Orkut foi trocado pelo Facebook.

Mark Schaefer, educador e consultor de marketing em mídias sociais, escreveu um post sobre isso, onde ele descreve porque o Facebook é aparentemente invencível, apesar dos rumores em contrário.

Alguém vai construir uma tecnologia melhor. Mas quem se importa?

O que você deve primeiro entender é que a tecnologia não faz do Facebook a maior entidade de mídia na história do mundo. O Facebook não é uma “tecnologia”. O Facebook não é um site. O Facebook é um estilo de vida.

Para derrubar Facebook você tem de se concentrar na criação de uma alternativa de estilo de vida que seja mais legal do que o Facebook. Agora, o quanto difícil é mudar o estilo de vida de alguém, o seu hábito diário? Quase impossível. É mais fácil para as pessoas se mudarem para uma nova casa e uma nova cidade do que se afastar de sua rede social. Assim, a primeira ideia é, não se trata de tecnologia.

Violações de privacidade serão a sua ruína. Errado.

Muitas pessoas estão à espera de uma reação contra o Facebook por causa de sua abordagem arrogante sobre privacidade. A pergunta é: “Por que isso ainda não aconteceu?” O Facebook foi considerado culpado de má conduta por uma investigação nos EUA e mesmo assim, isso não serviu para atenuar o crescimento do Facebook.

A privacidade em nossa cultura é como uma lagosta sendo cozido em uma panela. Se cair em uma panela quente, o animal vai tentar sair. Mas se cair em uma panela fria e a temperatura aumentar lentamente, vai se permitir ser fervida sem luta. Isto é o que está acontecendo com todos nós agora. A menos que alguma violação de privacidade nos afete monetariamente, neste momento, não haverá massa crítica de agitação para derrubar o Facebook por causa de preocupações com a privacidade.

As pessoas precisam de alternativas. Não.

Escolher é o que todos desejam para a maioria dos bens de consumo. Nós gostamos de ter escolha sobre o cereal matinal ou para o shampoo, mas não é assim, quando se trata de plataformas de mídia social. Não temos a largura de banda para desejar dois Twitters ou uma alternativa para o LinkedIn. Nós já temos plataformas nesses espaços que funcionam muito bem. O Facebook está sempre adicionando novos recursos, ganhando novas patentes, e resolvendo os problemas complexos de servir um bilhão de pessoas, eles estão criando uma distância cada vez maior entre eles e qualquer adversário. Em geral, as pessoas não querem escolha neste espaço, é por isso que o monopólio persiste.

Então, de onde virá um concorrente a altura?

De onde veio este apego emocional poderoso que o Facebook exerce? Como se tornou um estilo de vida?

É difícil imaginar, mas não muito tempo atrás, o Facebook era um clube muito exclusivo. Ele só foi utilizado em campi universitários por estudantes universitários. Você tinha que ter um endereço de email da faculdade para ter acesso.
Por isso, foi esta conexão, limitada e exclusiva, esta coisa bacana que primeiro fez do Facebook uma febre. E isso é exatamente o que poderia derrubar agora.

O Facebook agora é uma empresa que tenta ser tudo para todos. Eles estão ganhando onipresença em todos os cantos do mundo. Eles estão trabalhando duro para ser um canal de mídia social para todos.

A única maneira de destituir o Facebook é voltar para o início e criar uma plataforma de modo exclusivo e surpreendente que atraia os “caras mais legais”. É aí que uma nova rede vai nascer, esta é a única maneira de uma nova ideia se tornar líder.

A maior queixa dos Millennials ou Geração Y é que seus pais e até mesmo seus avós estão no Facebook agora. Talvez seja a hora certa para dar às crianças legais o que elas querem. Um lugar exclusivo e próprio, limitado ao seu próprio grupo. de maneira que quando você atingir seu 25 º aniversário, você vai ser chutado para fora.

Aqui está o plano de jogo, se você é um empresário disposto:

  • Criar uma interface ousada, de conversação, e verdadeiramente centrada no usuário
  • Comprometer-se em servir apenas os mais jovens
  • Empregar cada centavo de maneira que reúna esse grupo em torno de sua cultura, esportes, músicas, jogos, ídolos. Seja a definição legal!
  • Não se foque em atender os acionistas ou os resultados financeiros trimestrais, em vez de clientes. Ou “ser legal” será impossível.

Então é isso!

Este é o plano para derrubar o Facebook. E agora, você está pronto para começar?

Via Business 2 Community

Write A Comment