Compartilhe:

Aprendemos sobre História, Ciências e Matemática. A maioria de nós, no entanto, não aprende como identificar ou lidar com nossas próprias emoções, ou as emoções dos outros. Essas habilidades podem ser valiosas, mas você nunca as receberá em uma sala de aula.

A inteligência emocional é um conceito que os psicológicos usam para descrever o quão bem os indivíduos podem gerenciar suas próprias emoções e reagir às emoções dos outros. As pessoas que exibem inteligência emocional têm as habilidades menos óbvias necessárias para avançar na vida, como gerenciar a resolução de conflitos, ler e responder às necessidades dos outros, e evitar que suas próprias emoções transbordem ou interrompam suas vidas. Neste post, veremos o que é a inteligência emocional e como desenvolver a sua.

O Que é Inteligência Emocional?

Avaliar a inteligência emocional é algo relativamente novo no campo da psicologia, começou em meados dos anos 80. Vários modelos estão sendo desenvolvidos, mas para nossos propósitos, examinaremos o que é conhecido como o modelo chamado mixed model, desenvolvido pelo psicólogo Daniel Goleman.  Esse modelo possui cinco áreas-chave:

  • Autoconhecimento – O autoconhecimento envolve conhecer seus próprios sentimentos. Isso inclui ter uma avaliação precisa do que você é capaz, quando você precisa de ajuda e quais são seus gatilhos emocionais.
  • Autocontrole – Isso envolve ser capaz de manter suas emoções em controle quando se tornam perturbadoras. Envolve ser capaz de controlar explosões, resolver calmamente os desentendimentos e evitar atividades que o prejudiquem, como auto-piedade ou pânico prolongados.
  • Motivação – Todos podem ser motivados por recompensas como dinheiro ou status. O modelo de Goleman, no entanto, refere-se à motivação em prol da alegria pessoal, da curiosidade ou da satisfação de ser produtivo.
  • Empatia – Enquanto as três categorias anteriores se referem às emoções internas de uma pessoa, esta trata das emoções dos outros. A empatia é a habilidade e a prática de ler as emoções dos outros e responder adequadamente.
  • Habilidades Sociais – Esta categoria envolve a aplicação da empatia e também a negociação das necessidades dos outros. Isso pode incluir encontrar algo em comum com os outros, gerenciar outros em um ambiente de trabalho e ser persuasivo.

A ordem dessas competências emocionais não é tão relevante, pois todos aprendemos muitas dessas habilidades simultaneamente à medida que crescemos. Também é importante notar que, para nossos propósitos, só usaremos isso como um guia. A inteligência emocional não é uma área na qual a maioria das pessoas recebe treinamento formal. Vamos deixar os psicólogos argumentar sobre o jargão e os modelos, mas por agora vamos explorar o que cada um deles significa e como aprimorá-los em sua própria vida.

Autoconhecimento

Antes de qualquer outra coisa, você precisa saber quais são suas emoções. Melhorar sua autoconsciência é o primeiro passo para identificar qualquer área problemática que enfrenta. Aqui estão algumas maneiras de melhorar sua autoconsciência:

  • Mantenha um diário: No final de cada dia, anote o que aconteceu com você, como você se sentiu e como você lidou com isso. Periodicamente, observe o seu diário e tome nota de qualquer tendência, ou qualquer vez que você exagere sobre algo.
  • Peça ajuda dos outros: A contribuição dos outros pode ser inestimável. Tente perguntar a várias pessoas que o conhecem bem, onde estão os seus pontos fortes e fracos. Anote o que eles dizem, compare o que eles dizem uns aos outros e, novamente, procure padrões. Mais importante ainda, não discuta com eles. Eles não precisam estar corretos. Você está apenas tentando avaliar sua percepção do ponto de vista de outra pessoa.
  • Reduza a velocidade (ou medite): As emoções têm o hábito de obter o máximo de controle quando não temos tempo para retardá-las ou processá-las. Da próxima vez que você tiver uma reação emocional a alguma coisa, tente fazer uma pausa antes de reagir.

Se você nunca praticou a autoconsciência de maneira intencional, essas dicas devem ajudar. Uma outra estratégia é fazer longas caminhadas. O aspecto importante é olhar para dentro, em vez de se concentrar apenas em fatores externos.

Autocontrole

Uma vez que você sabe como suas emoções funcionam, você pode começar a descobrir como lidar com elas. O autocontrole adequado significa controlar suas explosões, distinguindo entre gatilhos externos e reações internas.

Uma maneira fundamental de gerenciar suas emoções é mudar a forma como você recebe as informações. Você provavelmente já ouviu o velho conselho de contar até dez e respirar quando você está com raiva. Pode parecer bobo. No entanto, isso pode realmente quebrar o ciclo.

Você nem sempre pode controlar o que faz você se sentir de uma certa maneira, mas você sempre pode controlar como você reage a isso. Nem todas as emoções podem ser ventiladas. No entanto, sempre há um momento em que esses sentimentos estão menos intensos. Use esses momentos para procurar ajuda.

Motivação

Quando estamos falando de motivação em relação à inteligência emocional não queremos apenas abordar a energia para ir ao trabalho. Estamos falando sobre sua força interior para realizar algo. Essa força também não é apenas uma sensação sem sentido. Como a Psicologia atual explica, há uma seção de seu córtex pré-frontal que se ilumina no mero pensamento de alcançar um objetivo significativo.

Se o seu objetivo é construir uma carreira, criar uma família ou criar algum tipo de arte, todos têm algo que querem fazer com sua vida. Quando sua motivação está funcionando para você, ela se conecta com a realidade de maneira tangível. Quer começar uma família? Pessoas motivadas começarão a namorar. Quer melhorar sua carreira? As pessoas motivadas vão se capacitar, se candidatar a novos empregos ou buscar uma promoção.

Daniel Goleman sugere que, para começar a usar essa motivação, primeiro você precisa identificar seus próprios valores. Muitos de nós estão tão ocupados que não tomamos o tempo para examinar quais são realmente os nossos valores. Ou pior, podemos fazer um trabalho que contradiz diretamente o que valorizamos por tanto tempo que perdemos essa motivação inteiramente.

Use seu diário para encontrar momentos em que se sentiu completo, realmente satisfeito. Crie uma lista de coisas que você valoriza. Sobretudo, aceite a incerteza na vida e apenas construa algo.

Empatia

Suas emoções são apenas metade de todos os seus relacionamentos. É a metade que você foca mais, com certeza, mas é só porque você passa o tempo todo com você. Todas as outras pessoas que interessam a você têm seu próprio conjunto de sentimentos, desejos, gatilhos e medos. A empatia é a sua habilidade mais importante para navegar em seus relacionamentos. A empatia é uma habilidade desenvolvida ao longo da vida, mas aqui estão algumas dicas que você pode usar para praticar a empatia:

  • Cale-se e escute: Vamos começar com o mais difícil aqui, porque é o mais importante. Você não pode experimentar a vida de todos para compreendê-los completamente, mas você pode escutar. Ouvir envolve deixar alguém falar e depois não contrariar o que eles dizem. Significa deixar de lado seus preconceitos ou ceticismo um pouco e dar a pessoa com quem você está conversando a chance de explicar como ela se sente. A empatia é difícil, mas praticamente todos os relacionamentos que você possui podem ser melhorados pelo menos um pouco, esperando pelo menos dez segundos antes de retomar a conversa.
  • Assuma uma posição contrária a sua: Uma das maneiras mais rápidas de solidificar uma opinião em sua mente é argumentar a favor dela. Para contrariar isso, tome a posição oposta. Se você acha que o seu chefe não é razoável, tente defender suas ações na sua cabeça. Você acharia as ações dele razoáveis ​​se você estivesse em sua pele? Apenas com esses exercícios você já pode encontrar uma boa dose de empatia com o ponto de vista do outro (embora, obviamente, as respostas reais dos outros sempre possam ajudar).
  • Não apenas saiba, procure entender: Compreender é fundamental para ter empatia. Como discutimos antes, o entendimento é a diferença entre saber algo e realmente ter empatia. Se você se pegar dizendo: “Eu sei, mas…” muito, pegue isso como um indicador que você deve pausar um pouco mais. Quando alguém lhe fala sobre uma experiência que não é sua, leve algum tempo para refletir sobre como sua vida poderia ser diferente se você passasse pelo mesmo.

Por definição, a empatia significa se conectar emocionalmente com outra pessoa. Permitir que as experiências do outro reflitam nas suas para que possa responder adequadamente. É bom oferecer conselhos ou otimismo, mas a empatia também exige que você espere o espaço certo para fazer isso. Se alguém está à beira das lágrimas, ou compartilhando alguma dor profunda, não tente minimizar a dor. Lembre-se de como eles devem sentir e dê espaço para isso.

Habilidades Sociais

As ferramentas que você desenvolve nas outras quatro áreas o ajudarão a resolver muitos problemas sociais com os quais muitos adultos ainda lutam. Como Goleman explica, suas habilidades sociais afetam tudo, desde o desempenho do seu trabalho até sua vida romântica.

A habilidade social assume muitas formas – é mais do que simplesmente ser falante. Essas habilidades variam entre ser capaz de sintonizar os sentimentos de outra pessoa e entender como elas pensam sobre coisas, para ser um grande colaborador ou jogador em equipe, até entender de negociação. Todas essas habilidades são aprendidas na vida. Podemos melhorar qualquer uma delas que nos interesse, mas leva tempo, esforço e perseverança. Ter um modelo, alguém que incorpora a habilidade que queremos melhorar, ajuda, mas também precisamos praticar sempre que surgir uma oportunidade natural – e pode ser ouvindo um adolescente, não apenas momentos no trabalho.

Você pode começar com a forma mais comum de problemas sociais: resolver um desentendimento. É aí que você coloca todas as suas habilidades à prova em uma situação do mundo real.

  • Identificar e lidar com suas emoções: Sempre que você tiver uma discussão com outra pessoa, as coisas podem se aquecer. Se alguém envolvido estiver emocionalmente abalado, lembre-se primeiro desse problema. Tire um tempo para respirar e só depois volte ao problema. Em um ambiente de trabalho, isso pode significar desabafar com um amigo antes de responder seu chefe.
  • Responda a problemas reais quando estiver mais calmo: Depois de se acalmar, identifique o que é o conflito. Antes de ir para as soluções, assegure-se de que você e a outra pessoa concordam sobre quais são realmente os problemas. Proponha soluções que sejam mutuamente benéficas.
  • Pense de forma harmoniosa: Seja em negócios ou prazer, os relacionamentos funcionam melhor quando todos os envolvidos sabem que estão na mesma página. Mesmo se você não puder terminar com uma solução benéfica a todos, certifique-se de que a última intenção que você comunica é harmoniosa. Deixe claro que seu objetivo é encontrar um objetivo em comum, mesmo que vocês tenham pontos de vista diferentes.

Nem todo tipo de interação com outra pessoa será um conflito, é claro. Algumas habilidades sociais apenas envolvem conhecer novas pessoas ou socializar com pessoas de diferentes mentalidades. No entanto, resolver conflitos pode ser uma das melhores maneiras de aprender a aplicar suas habilidades emocionais. As disputas são melhor resolvidas quando você sabe o que deseja, pode comunicar-se com clareza, entender o que alguém quer e chegar a condições favoráveis para todos. Se você prestou atenção, notará que isso envolve todas as outras áreas do modelo de inteligência emocional.

Via LifeHacker

1 Comment

  1. Oi, Cristiane!

    Gostei de seu blog, vou acompanhar, obrigada.

    De fato, todas essas características são fundamentais para gerar bons relacionamentos, e, que nem tudo na vida, devemos praticar, ou, pelo menos, estarmos preparados para os embates.

    Abs,
    Daniella.

Write A Comment