Compartilhe:

Algumas marcas nos atraem e ficamos indiferentes a outras. Existe uma força que nos conecta. Temos uma afinidade que é difícil de entender. Sentimos proximidade e confiança. O que nos atrai para essas marcas? Por que mostramos lealdade a elas? Nesse artigo vamos entender o que são arquétipos de marca e como você pode usá-los para criar conexões duradouras.

Afinal, ser capaz de desenhar uma personalidade de marca em torno de um arquétipo que se conecta inconscientemente ao nosso público é um grande passo para a lealdade.

Da mesma forma, cria uma comunidade, engaja e aumenta as conversões e vendas.

O Que é uma Marca?

Todos nós sabemos o que é uma marca. No entanto, a maioria das pessoas não consegue definir o que é uma marca.

Uma marca é um grupo de elementos que identificam uma empresa e a distinguem da concorrência. Isso pode incluir logo, cores e slogan.

Com as redes sociais, as marcas estão se tornando cada vez mais complexas. O que antes era apenas um esquema de cores, agora evoluiu para uma personalidade com um espectro completo de emoções, peculiaridades, defeitos e fraquezas. Em suma, uma marca é a personificação de uma empresa. Por isso os arquétipos de marca são tão importantes.

Seu conteúdo precisa ser instantaneamente reconhecível, útil e relevante para seu público e refletir os valores da sua marca. A clareza da marca o ajudará a concentrar seus esforços.

O Que é um Arquétipo?

O termo “arquétipo” tem origem no grego antigo. Archein, que significa original, e Typos, que significa modelo ou tipo.

Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço, usou o conceito de arquétipo em sua teoria da psique humana. Ele acreditava que personagens míticos universais – arquétipos – residem no inconsciente coletivo das pessoas em todo o mundo. Independentemente de cultura, raça ou nacionalidade. Logo, como os arquétipos incorporam padrões ou motivações humanas fundamentais, eles provocam emoções profundas.

Embora existam muitos arquétipos diferentes, Jung definiu doze tipos principais que simbolizam as motivações humanas básicas.

A maioria das pessoas têm vários arquétipos em jogo na construção de sua personalidade. No entanto, um arquétipo tende a dominar a personalidade em geral.

Pode ser útil saber quais arquétipos estão em alta em si e nos outros, especialmente familiares, amigos e colegas de trabalho, a fim de obter uma visão pessoal dos comportamentos e motivações.

Branding é como as pessoas se sentem em relação a sua marca, seus produtos e serviços em um nível essencial. As marcas são como as pessoas, podemos explorá-las da mesma maneira que nós mesmos e desenvolver insights e abordagens exclusivas para o posicionamento e a estratégia da marca.

Arquétipos de Marca

O Que São Arquétipos de Marca?

Arquétipos fazem sentido porque nossos cérebros naturalmente organizam as ideias agrupando coisas e entendendo padrões. O reconhecimento de traços comuns em pessoas e marcas nos ajuda a processar e entender uma história. Esses pontos em comum nos levam a sentir emoções específicas.

Então, como os arquétipos se relacionam com as marcas? Como seres humanos, queremos nos conectar com as pessoas – não com produtos ou serviços.

Assim, quando uma marca assume um arquétipo para comunicar sua personalidade, as pessoas a reconhecem – elas a entendem. Quando as pessoas entendem sua marca, elas podem começar a gostar e confiar em você, o que leva a vendas.

Os arquétipos foram estudados pelo psiquiatra Carl Jung no início do século XX. Mais tarde, a consultora de liderança Carol Pearson aplicou os conceitos de Jung aos negócios e marketing.

Quando as marcas humanas têm mais sucesso. Quando mostramos mais personalidade, somos honestos sobre nossos valores e crenças – e se trabalharmos duro para fazer uma diferença real na vida das pessoas – o sucesso é inevitável.

Você pode aproveitar o poder dos arquétipos para estabelecer uma marca forte. Essa análise possibilita uma estrutura eficaz e duradoura para estabelecer sua marca.

Projetar uma personalidade de marca em torno de um arquétipo que se conecta inconscientemente ao nosso público é importante para:

  • Mensagem da Marca
  • Imagem da Marca
  • Fidelidade à Marca
  • Engajamento da Marca
  • Criar uma Comunidade
  • Conversões e Vendas

Arquétipos de Marca:

  1. São intuitivamente compreensíveis
  2. Conectam mais profundamente
  3. Tornam uma marca mais atraente
Arquétipos de Marca

Emoções e Motivações dos Arquétipos

Todos nós temos desejos humanos básicos. Não é algo racional. Apenas está lá. São instintivos e primitivos. Como somos todos diferentes, nossos desejos são diferentes. Sua motivação pode ser inovação ou liberdade, talvez controle.

Quando consideramos que certos comportamentos ou personalidades alimentam emoções específicas, podemos entender porque algumas personalidades nos atraem mais do que outras.

Arquétipos de Marca

Existem duas razões principais para alinhar sua marca a um arquétipo.

  1. Conexão: A maioria das marcas está na luta para oferecer os melhores benefícios e preços. Se você não deseja que sua marca se torne uma commodity, precisa fazer uma conexão mais profunda com seu público.
  2. Diferenciação: Quando trabalhamos a diferenciação por meio de personalidade, temos infinitas possibilidades. Somos não apenas únicos, mas memoráveis.

De acordo com o professor Gerald Zaltman, 95% das nossas decisões de compra são tomadas no subconsciente. Isso significa que as marcas com uma forte personalidade que se conectam em um nível emocional ao seu público têm uma enorme vantagem sobre a concorrência.

Como você verá nesse artigo cada arquétipo junguiano é muito familiar. Isso se deve à intuição, experiências, culturas e histórias que ouvimos.

Muito antes dos estrategistas em branding e marketing abordarem os arquétipos, escritores e roteiristas já estavam escrevendo e criando livros e filmes que são amados no mundo inteiro, com personagens arquetípicos.

Arquétipos no Cinema

Em outras palavras, nascemos com os mesmos instintos e compreensão inconsciente dos padrões comportamentais e os reconhecemos quando os vemos. Veja esses exemplos de arquétipos no cinema.

As aventuras de Indiana Jones como o explorador.

As aventuras de Indiana Jones como o explorador

A sabedoria de Yoda como o sábio em Guerra nas Estrelas.

A sabedoria de Yoda como o sábio em Guerra nas Estrelas

A superação e conquista de Maximus como o heróis em Gladiador.

A superação e conquista de Maximus como o heróis em Gladiador

Todos esses personagens são construídos sobre os fundamentos arquetípicos. Porque os contadores de história sabiam do nosso instinto intuitivo para nos conectarmos a eles rapidamente.

Essas personalidades podem trabalhar para evocar uma emoção dentro de você, o que permite que você estabeleça uma conexão com o personagem.

Personalidade

Se você não deseja ser apenas mais uma empresa no mercado competindo por preço, benefícios e recursos, precisará se conectar com seu público em um nível mais profundo.

Afinal, sua marca precisa de uma personalidade real com um tom de voz claro.

Marcas menos experientes podem escolher algumas características com as quais acham que seu público se relaciona.

Porém, os arquétipos são personalidades totalmente formadas, com uma visão da vida, uma opinião sobre o mundo e crenças firmes que permitem que as marcas se conectem como se fossem humanas. Resumindo, se você deseja que seu público saiba quem você é como marca, primeiro você precisa saber quem ela é.

O alinhamento da sua marca o mais firmemente possível a um arquétipo de marca permitirá que sua personalidade seja ainda mais familiar ao seu público e permita que você se comunique com consistência e humanidade de uma pessoa real.

Arquétipos de Marca

Grandes marcas são focadas

Como os arquétipos representam as personalidades, eles se referem ao seu cliente também.

Você pode começar identificando a personalidade do seu cliente e, em seguida, alinhar sua marca com o arquétipo que mais atrairia seu cliente (geralmente são os mesmos, mas nem sempre).

Por exemplo, seu público pode ser “A Pessoa Comum”, mas você deseja que sua marca apele para “O Explorador” dentro deles. Nesse caso, sua marca deve estar mais alinhada com o arquétipo “O Explorador” e usar personalidade e comunicação para evocar o desejo de explorar.

Vamos conhecer cada um dos 12 arquétipos de marca.

Os 12 Arquétipos de Marca

Você é um herói ou um amante? Talvez um rebelde (com uma causa). Ou talvez o que você realmente queira governar o mundo.

Entenda, se sua marca é pessoal ou corporativa, ela tem uma personalidade e uma categoria (ou duas) na qual se enquadra. Possui motivações, valores e atributos específicos que a diferenciam. Então, o que sua marca representa?

Os 12 Arquétipos de Jung

O Rebelde

Regras existem para serem quebradas.

São os que amam quebrar as regras. Eles procuram falar para pessoas que se sentem excluídas da sociedade. Os rebeldes constantemente combatem a autoridade e tendem a ser agentes de mudança que ajudam outras pessoas a romper com o convencional. Eles são bons, mas muitas vezes a raiva faz parte de sua motivação, que pode se tornar a força dominante.

Exemplos: Virgin, PayPal e Harley-Davidson.

O Mágico

Eu faço as coisas acontecerem.

São focados em fazer as coisas acontecerem e os sonhos se tornarem realidade. Eles se concentram em criar algo especial e ajudam as pessoas a transformar seus mundos. Eles são carismáticos e imaginativos. Têm a capacidade de levar as pessoas a uma jornada de transformação pela experiência de um momento mágico. Os mágicos têm sede de conhecimento, embora não o compartilhem, mas usam para mostrar sua visão.

Exemplos: Disney, Mary Kay e Intel.

O Herói

Onde há vontade, há um caminho.

Querem melhorar o mundo e são muito corajosos. Eles procuram causar um impacto positivo e resolver um grande problema ou inspirar outras pessoas a fazê-lo. Eles são disciplinados, focados e super produtivos.

A principal motivação do herói é provar o seu valor usando sua coragem e determinação. Eles trabalham duro para ter as habilidades que consideram necessárias e se orgulham de que sua taxa produtividade os diferencie do resto. Eles precisam enfrentar os desafios de frente e enfrentar derrotas ou falhas até serem campeões. Querem salvar o dia para provar seu valor a si mesmo, mas também para que o mundo conheça suas habilidades.

Exemplos: Nike, FedEx e Adidas.

O Amante

Você é único.

Buscam intimidade e amor. São apaixonados, agradecidos e idealistas. Eles tendem a ajudar os outros a serem apreciados e a construir relacionamentos. São românticos, quentes e sensuais. Criam experiências capazes de construir relacionamentos e criar memórias.

Os amantes querem ser desejados. A experiência de intimidade e proximidade. Eles são motivados a se tornarem fisicamente e emocionalmente mais atraentes para aumentar sua capacidade de atrair outras pessoas.

Exemplos: Victoria’s Secret, Magnum e Häaguen-Dazs.

O Comediante

Só se vive uma vez.

O objetivo deles é trazer alegria para as pessoas ao seu redor. Aproveitar o momento e ser divertido. Eles tendem a ajudar as pessoas a se divertirem com o que estão fazendo e a permitir que sejam espontâneas e impulsivas. São inovadores e sinceros. Despertam a felicidade até nos momentos mais difíceis.

Exemplos: M&M’s, Fanta e Old Spice.

A Pessoa Comum

Todos homens e mulheres são criados iguais.

Sua principal missão é conectar-se com os outros e pertencer a alguma coisa. Eles são práticos, solidários e fiéis. Eles são sociáveis ​​e capazes de dar uma sensação de pertencimento. Reais, honestos e muito esforçados.

Eles tendem a se misturar à sociedade como apenas mais um e não gostam de se destacar na multidão. São amigáveis e fáceis de conversar, sem serem engraçados, rudes ou barulhentos demais.

Exemplos: GAP, eBay e Target.

O Cuidador

Amar o próximo como a si mesmo.

Sua principal missão é proteger e cuidar dos outros. Eles são os melhores em servir e doar. Tendem a ser compassivos, gentis e generosos. São muito maternais e educadores. Ajudam as pessoas a permanecerem conectadas e a se cuidarem. Querem ajudar e proteger seus clientes. Sua mensagem tende a ser sempre muito positiva. Motivados pelo desejo de proteger e cuidar dos outros, especialmente os necessitados.

Exemplos: Johnson & Johnson, Dove e MSF.

O Governante

O poder não é tudo, é a única coisa.

Quer estar no controle e ter poder total. Desejam criar uma vida próspera. São responsáveis ​​e vistos como modelos. Gostam de ser organizados e seguir padrões e ajudar os outros a alcançar o mesmo. Eles trazem estabilidade ao seu mundo.

Os governantes são responsáveis e organizados. Ao inspirar as pessoas a assumirem responsabilidades em suas vidas, os governantes ajudam a melhorar as coisas. Liderança e influência para esse arquétipo de marca, se aproveitadas adequadamente, permitem que os governantes tenham muito sucesso.

Exemplos: Rolex, IBM e Microsoft.

O Criador

O que se pode imaginar, pode ser realizado.

Querem criar algo de significado e valor. O sonho deles é causar um impacto. Eles são criativos e imaginativos. Eles têm a capacidade de construir, apresentar e executar. Eficazes e persuasivos. Os criadores procuram inovar por meio da arte que cria valor.

Ver uma nova ideia tomar vida é uma das maiores alegrias para um criador. Aquele impulso imaginativo, expressivo e perfeccionista que os motiva.

Exemplos: Pixar, Sony e Lego.

O Inocente

Somos jovens e livres.

Os inocentes são simples, puros e acreditam que o mundo é um bom lugar. Eles tendem a oferecer soluções simples para diferentes problemas e estão associados à bondade. Espontâneos, autênticos e reais. Eles são vistos como confiáveis ​​por causa de sua transparência.

Exemplos: Dove, Coca-Cola e McDonald’s.

O Sábio

A verdade o libertará.

Ajudam o mundo a adquirir sabedoria, conhecimento e insights. Eles usam a inteligência para analisar e entender melhor o mundo e acreditam que a verdade nos libertará. São vistos como uma fonte especializada de informações, um mentor, professor ou consultor. Eles incentivam os outros a pensar.

O sábio é um arquétipo que está sempre estudando. Seu objetivo final é entender todas as coisas. As marcas que se identificam com esse arquétipo tendem a ter um lado humanista e querem ajudar aqueles que os seguem.

Exemplos: PBS, TED e Google.

O Explorador

Não me limite.

Querem ser livres para explorar o mundo e descobrir novas experiências. Se esforçam para encontrar a si mesmos por meio de desafios. Eles querem uma vida mais autêntica e gratificante. Eles são emocionantes e autênticos e estão dispostos a sair do mainstream para procurar territórios desconhecidos.

Exemplos: The North Face, GoPro e Red Bull.

Personalidade e Arquétipo de Marca

Sem dúvida, você reconhece esses arquétipos ou, mais especificamente, suas personalidades. Então, como você escolhe qual aplicar à sua marca? Cada segmento costuma ter uma personalidade típica que seu público esperaria. O setor de saúde seria o cuidador, por exemplo.

Por outro lado, isso não significa que todas as marcas de saúde devem seguir a personalidade do cuidador.

Precisamos de um arquétipo de marca dominante que represente no mínimo 70% da personalidade da marca. Os outros 30% são o arquétipo secundário, esse que gera a diferenciação. Porém, não deixe esses 30% prejudiquem o arquétipo dominante. Divida sua comunicação com sabedoria.

Seu arquétipo dominante pode precisar estar alinhado com o arquétipo do segmento (dependendo do seu segmento). Nesse caso, você precisa ser criativo com os 30% restantes.

Desenvolva sua personalidade continuamente para garantir que ela permaneça alinhada com quem é seu público e com as emoções que está trabalhando para evocar.

Quando o visual, as emoções, as experiências, o tom de voz, a atitude, as opiniões e a linguagem da sua marca estão alinhados e estão todos trabalhando juntos. Assim você terá uma marca com uma personalidade humana e memorável que seu público vai se identificar.

Arquétipos de Marca

Conclusão

Arquétipos de marca não são um conceito novo, mas definitivamente é subutilizado. Especialmente nos pequenos negócios.

Enfim, com tanto barulho em qualquer mercado, apenas as marcas que se conectam em nível humano que atraem qualquer tipo de afeto.

Para se conectar no nível humano com uma personalidade humana e não há melhor estratégia que desenvolver uma personalidade humana que usa uma estrutura arquetípica desenvolvida para evocar desejos humanos.

Os arquétipos de marca são uma ferramenta para diferenciar sua marca, dar profundidade de personalidade e para conexão com seu público, para que eles comecem a sentir algo por você.

Sua marca deve contar uma história

Uma história de marca eficaz é intrigante e uma oportunidade de ser autêntico. Assim também, se sua marca não possui direção, identidade ou conexão humana com seu público, isso não é atraente.

Saiba quem é sua marca, o que ela representa e para onde está indo. Marcas que sabem para onde estão indo inspiram pessoas a seguir.

Conhecer os arquétipos de marca é uma coisa, mas saber como comunicar e manter seu marketing alinhado com a personalidade e a mensagem de marca é uma tarefa desafiadora.

Como você está se conectando com seu público? Como alinhar emoção e personalidade? Entre em contato comigo e vamos trabalhar juntos para tornar sua marca humana e memorável.

Compartilhe:

Write A Comment