Compartilhe:

Ativar o poder dos arquétipos no branding pessoal abre portas para uma forma mais consciente e positiva de interagir e se comunicar.

Em primeiro lugar, Carl Jung nos apresentou o termo arquétipo para se referir aos padrões recorrentes encontrados em nossas histórias e motivações. Então, ele identificou temas, símbolos e imagens como parte da psique humana. Mais tarde, Carol Pearson ampliou este trabalho com uma pesquisa examinando os atributos arquetípicos dentro de várias organizações.

De Carl Jung a Joseph Campbell, passando por Carolyn Myss e Carol Pearson. Em suma, grandes pensadores concordam que os arquétipos comunicam nossa personalidade, paixões, valores e propósito.

Arquétipos no Branding Pessoal

Assim, eu desenvolvi a ferramenta Perfil Arquetípico da Marca, com base nos estudos de Carol Person, Simon Sinek e Jennifer Aaker, para levar até você uma análise e compreensão mais profunda na estratégia de marca.

O Que é Branding Pessoal?

Branding Pessoal ou Personal Branding é uma forma de se definir para garantir que as pessoas saibam quem você é, o que faz e o que representa. Sobretudo, sua marca pessoal é o que o diferencia de todas as outras pessoas com um conjunto de habilidades ou experiências semelhantes.

Nesse sentido, é a sua reputação.

Uma marca pessoal é composta por vários elementos, como personalidade, cores ou símbolos. Em vista disso, uma das maneiras mais estratégicas de fortalecer a marca pessoal é definir sua personalidade usando a abordagem dos arquétipos.

Por Que Aplicar os Arquétipos no Branding Pessoal?

Acima de tudo, os arquétipos se comunicam com o inconsciente humano atravessando culturas, indústrias e mercados. Cada um com suas motivações, estratégias e talentos. Eles nos ajudam a compreender de uma maneira muito mais profunda porque somos especiais e únicos como marcas pessoais.

Conhecer seus arquétipos garante uma visão sobre seus padrões recorrentes e herdados. Pois eles iluminam seu potencial e orientam suas escolhas, permitindo que você desenvolva potenciais subutilizados.

Por Que Aplicar os Arquétipos no Branding Pessoal

Diferenciação e Conexão

Em um mundo passando por tantas mudanças e com excesso de informação, você precisa se destacar. Porque mesmo sem ter consciência disso, você é uma marca e está competindo por atenção. Para ter sucesso, você precisa estabelecer uma conexão mais profunda com seus potenciais clientes. Ou seja, uma comunicação baseada em emoções e na atração inconsciente por algo familiar, como os arquétipos de marca.

  • Alinhe seus valores.
  • Tenha clareza e consistência em suas decisões.
  • Melhore sua comunicação.
  • Fortaleça seus relacionamentos e conexões.
  • Entenda e desperte seu propósito.

Qual a Diferença entre Arquétipos e Estereótipos?

Um arquétipo é baseado em um conceito recorrente em várias culturas (personagens, símbolos ou motivações). Por outro lado, os estereótipos são apenas exemplos de traços de caráter generalizados (e facilmente reconhecidos).

Os estereótipos se baseiam em ideias, traços ou convenções. Quer dizer, um conjunto de generalizações imprecisas e simplistas sobre um determinado grupo para que seja categorizado. É a diferença entre refletir sobre uma tendência sociocultural atual e mergulhar em uma verdade mais profunda.

Um estereótipo é culturalmente, e muitas vezes temporalmente, específico. Por outro lado, um arquétipo é um personagem ou situação universalmente familiar que transcende tempo, lugar, cultura, gênero ou idade. Representa uma verdade eterna mais do que apenas uma manifestação estereotipada.

Como Descobrir seus Arquétipos no Branding Pessoal?

Toda marca tem uma personalidade. Até mesmo marcas corporativas. Isto porque a personalidade de uma marca atribui um conjunto de características humanas, facilitando assim o relacionamento com clientes e potenciais clientes.

Quando isso é trabalhado de maneira consciente e consistente, apresenta uma personalidade bem definida, tornando seus produtos e serviços identificáveis em um nível pessoal. Ou seja, os clientes se conectam em um nível emocional. Uma maneira de ajudar a definir sua personalidade é pensar sobre arquétipos.

Além do mais, marcas corporativas usam a abordagem dos arquétipos para humanizar sua comunicação, pense o quanto isso faz sentido para marcas pessoais.

Existem perguntas simples que podem te guiar nesta descoberta. Vamos entender.

Como você quer ser visto?

Como você deseja ser visto pelos clientes potencias? O que será necessário para tornar essa percepção uma realidade? Uma pessoa que deseja ser conhecida como acessível precisa ser acessível. Por isso ela deixa a porta do escritório aberta, faz contato visual e inclui outras pessoas na conversa.

Da mesma forma, a pessoa que busca ser conhecida como confiável apoia suas declarações de valor com comportamentos e ações. O comportamento é onde colocamos nossas crenças em ação. Ou não…

Como você quer que as pessoas se sintam?

Criar uma grande marca não é sobre um logo memorável ou um esquema de cores consistente. Sua marca é a maneira como seus clientes pensam e sentem sobre você.

Uma marca vai muito além da estética visual (embora tenha um papel importante). Principalmente é uma conexão emocional. Você deseja que as pessoas se sintam amadas, cuidadas ou mais poderosas?

Quais palavras descrevem você?

Aqui está um exercício para te ajudar na definição da sua identidade de marca. Faça uma lista com cinco adjetivos que melhor descrevem sua personalidade. É importante manter a lista curta, caso contrário, você não se concentrará em sua personalidade. Ou seja, o que é mais importante? Aprenda a priorizar.

Como Descobrir seus Arquétipos no Branding Pessoal

Como Ativar seus Arquétipos no Branding Pessoal?

O primeiro passo é descobrir seu Perfil Arquetípico, ou seja, qual seu arquétipo dominante e os auxiliares. Muitas vezes nos identificamos com um personagem por admiração e queremos muito que ele seja nosso arquétipo.

Quando fazemos isso, estamos automaticamente negando o que temos de mais precioso. Sendo assim, o mergulho na autodescoberta é apenas o começo da jornada. Então, não paramos por aí. Precisamos entender mais a fundo a história de cada um desses arquétipos que desencadeiam nossa personalidade.

O terceiro passo é entender como estes arquétipos interagem, visto que eles têm motivações distintas e em muitos aspectos podem se complementar ou repelir. Sendo assim, precisamos entender onde existem conflitos e concordâncias.

Veja um resumo sobre os 12 arquétipos de marca:

  • Amante – quer aprofundar seus relacionamentos.
  • Cuidador – deseja nutrir e proteger nossa mente, corpo e alma.
  • Inocente – busca renovar nossa esperança.
  • Explorador – quer descobrir a realização profunda, a liberdade e a autenticidade.
  • Criativo – deseja honrar sua auto expressão com confiança.
  • Sábio – quer descobrir a verdade e compartilhar sua sabedoria.
  • Herói – almeja triunfar sobre as adversidades.
  • Pessoa Comum – exalta o caráter simples e acessível.
  • Governante – visa criar ordem, paz e prosperidade.
  • Mágico – torna os sonhos realidade.
  • Rebelde – desafia o mundo como o conhecemos.
  • Comediante – busca o lado engraçado de situações absurdas.

Em conclusão, a melhor maneira de desenvolver uma reputação forte é definir sua marca pessoal. Porque ajuda você a compreender qual sua proposta de valor em um nível muito mais profundo e totalmente singular.

Então, como tudo em que vale a pena investir, é preciso tempo, dedicação e paciência. Ainda assim, com o método que eu desenvolvi, você terá clareza para definir e gerenciar sua marca pessoal. Clique aqui para saber e começar agora.

Perfil Arquetípico da Marca
Compartilhe:

Write A Comment